Arquivo por categoria: PAPO DE IRATIENSE

mar 12 2015

Comboio da madrugada

Madrugada de domingo, 16/05/2010. Thiago, meu filho, saiu para a balada. Nena dorme o sono das justas. Sozinho nesta madrugada quase gelada ponho-me a procurar em que esquina de minha história acabei me perdendo do sono. Afasto a cortina do quarto e a janela abre-se num olhar marejado para uma rua deserta. A neblina, entrecortada …

Continue lendo »

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5163

mar 12 2015

Acreditar

Eu acredito no ser humano! Eu acredito que o ser humano denota de amor pelo seu semelhante, pelo menos a maioria deles. Eu acredito que um suposto pai, mesmo que não saiba que é pai,quando apontado como possível genitor, deva fazer o teste de DNA e assumir sua paternidade. Vejam essas duas situações semelhantes, retiradas …

Continue lendo »

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5161

mar 12 2015

Tarde demais…

Pássaro voe agora… Sinta-se livre, Mas não esqueça que a ilusão existe de fato. Conheça novos caminhos… Viaje no tempo… Conquiste tudo que acredita, Mas se lembre que pode se perder. Mesmo que perca seus instintos… Eles sempre estarão guardados no seu peito. Vai voar agora e na música mais bela… Descobrirá os segredos da …

Continue lendo »

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5158

mar 12 2015

Emoção

  Poema de Leda Mara Gonçalves de Oliveira    

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5155

mar 12 2015

A tosse do Tózinho

Dona Izaura, minha avó materna, tinha um vira-latas pitoco, de pelo preto e algumas manchas brancas. Chamava-se “Tó”, ou “Tózinho”… Para os íntimos. Mimado ao extremo, era mesmo um chato. Conhecia-nos à todos,porém, à cada vez que aportávamos à casa da vovó lá vinha êle “se achando”, latindo sem parar e, vez e outra, afetado …

Continue lendo »

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5152

mar 12 2015

Bar do Gusto

A origem do termo bar vem da palavra barra. Na França, nos anos de 1700, as tavernas tinham uma barra, barre em francês, em todo o comprimento do balcão para evitar que os bitruqueiros se encostassem demasiadamente. É uma barra para se apoiar os pés. Em Irati existiram muitos bares tradicionais. Por incrível que pareça, …

Continue lendo »

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5149

mar 12 2015

Bálsamo

Deixaste fendas em meu coração Tão fora de hora… Tão sem razão! Podaste as folhas novas, ensaiando brotar Estavam brotando! Quebraste os galhos tenros… Ora!Mas ainda há uma raiz. E há de vingar!Há de reflorir! E então, se precisares…Lembra-te da Velha árvore… Ainda há sombra! Vem!Vem! Vem velho amigo. Recosta-te em meu tronco rugoso. E …

Continue lendo »

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5146

mar 12 2015

Identidade de fato – apelidos

Identidade pode ser entendida como uma maneira de se identificar e, portanto, traduzida em sinais, nomes ou documentos, que acompanham o indivíduo, uma entidade, uma instituição, ou um lugar. A cultura regional exerce um papel fundamental para delinear as diversas personalidades, os padrões de conduta e ainda as características próprias de cada grupo humano daquele …

Continue lendo »

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5143

mar 12 2015

Velhas noites de domingo

Aquela loja de confecções, à uma quadra do cinema, deixava ao inteiro dispor nas noites de domingo, as vitrines iluminadas e fartos espelhos por onde um grupo de amigos narcisava-se muito à vontade. As golas pontiagudas das camisas ajustavam-se sobrepostas aos paletós (xadrez em sua maioria), davam-se algumas olhadelas aos sapatos, estes com saltos e …

Continue lendo »

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5139

mar 12 2015

Minhas serestas

  A noite prometia ser fria. Vivíamos o ano de 1975, mas podia ser também 1976 ou 1977. Nossa rotina era a mesma. Toda sexta, depois da aula noturna, tínhamos uma endereço para estar: sede da AABB. Era lá o palco dos ensaios para mais uma seresta. Lá nos encontrávamos, os companheiros que sempre enfrentavam …

Continue lendo »

Link permanente para este artigo: http://www.claudiawas.com.br/?p=5134

Posts mais antigos «